FLOR-AMOR

Há tempo que não sentia em meu peito
O renascer da flor-amor;
E também fazia tempo que não sentia
O ardor causado pelas chamas que a trazem.

Há tempos que este sentimento,
Capaz de fazer-nos percorrer distâncias,
Até lugares longínquos e contentar em apenas vê-la,
Mesmo sabendo que não somos notados,
Não se manifestava em mim.

Há tempos que nesta minha terra-coração,
Não brotava nem mesmo flores banais,
Tais como a flor-gostar e a flor-paixão!

QUEM SABE, QUEM SABE

Quem sabe um dia você me amarás
Quem sabe um dia você comigo viveras
È quem sabe um dia você comigo casaras

Quem sabe um dia um foguete eu hei de controlar
Quem sabe um dia a Lua irei para passear
Quem sabe um dia eu vou contar todas as estrelas
È quem sabe um dia quantos planetas eu ei de visitar

Quem sabe um dia se famoso eu serei
Quem sabe um dia você vai me ver na tv
Quem sabe um dia uma medalhar irei ganhar
Quem sabe um dia um prêmio eu ei de conquistar

E que sabe um dia um belo Poeta eu serei ?

Mas quem sabe se isso tudo aconteceras
Mas que sabe se esse dia vai chegar ?
Para os meus sonhos se realizar.

Autor: Ray oliveira

Por favor deixem um comentario

A LENDA DO MOÇO DA PRAÇA

Numa pequena cidade de interior chamada Ibiranopolis onde a uma lenda daquelas que minha avó escutou da tia dela que diz que sua mãe já viu acontecer a tal lenda de verdade.
Uma vez minha vó me contou, era assim quando a cidade ainda era vila havia dois namorados que se amavam muito, segundo minha avó ele se chamava Alberto e ela Julia, Julia era uma das moças mais bonitas da vila tinha cabelos negros como a noite um olhar radiante como o sol causava inveja nas outras mulheres e despertava o amor nos rapazes. Alberto era um rapaz muito bonito com um sorriso tão belo como o azul do céu.
Eles viviam passeando pela a praça, era um amor eterno todos da cidades diziam com certeza eles se amariam para sempre, toda tarde ele saia do serviço para a esperar ela na praça ansiosamente por sua companhia, e ali ficavam naquela praça enorme cheia de árvores com aroeiras, sapucaias e pitangueira até anoitecer.
Ibiranopolis era uma cidade pacata com taxas de crimes baixíssimos quase zero, minha vó fala que e bem de diferente de hoje.
Num certo dia comum sem muitas diferenças, ela não vai para a praça pois ficou cuidando de sua mãe que passara muito mal naquele dia, ela por não conseguir ir naquela tarde na praça não se preocupou muito pois pensou que quando ele percebe-se iria na sua casa.
Alberto então a espera como de costume, quando vê que já está anoitecendo ele fica preocupado com a ausência de sua namorada, ao perceber que já passava das 21:00 decide ir na sua casa, quando de repente chega uma assaltante ele sem reagir entrega o dinheiro, mas o assaltante sem dó e nem piedade atira contra Alberto , seu corpo fica no chão até duas mulheres voltando da missa encontra seu corpo estirado no chão.
Quando Julia fica sabendo fica desesperada seu pai e a mãe tenta a lhe acalmar mas nada resolve, o enterro é marcado e feito a tarde naquele outro dia, Julia se nega ir ao enterro pois não aceita que terá que se despedir pela última vez de seu amor.
Ela se tranca no quarto, não sai mais de casa para nada, come quase que por imploração de sua mãe depois de três dias sua mãe a encontra em seu quarto deitada quando ela encosta em Julia vê que ela está muito fria, e se desespera e sai correndo para pedir ajuda mas quando chega uma pessoa logo em minutos percebe que já é tarde demais.
Uma morte sem nenhuma explicação a não ser de desgosto e saudade.
Alguns meses depois pessoas relatam ter visto um casal de jovens namorados se beijando na praça nunca ninguém teve coragem de se aproximar, mas vê em que e um rapaz claro e uma moça de cabelos tão negros como a noite.

As vezes nem a morte e capaz de apagar um grande amor

Ray Oliveira

Eu, João

Eu nasci em São Paulo ano 92, me chamo João hoje não irei a escola vou lhes contar porque.
Todos meus dias na escola ao chegar no portão grande e enferrujado da escola, eu me começo a lembrar da tortura que é estudar mas não o fato matéria mas sim o fato os alunos, ao eu entrar na sala e ver alguns alunos me dava vontade de morrer e que naquele dia não hovesse recreio, mas não adiantaria em nada eles concerteza me esperariam na saída.
Sempre todo dia no recreio era igual eles me agrediam me empurravam para o banheiro das meninas, eles não só me agrediam fisicamente mas tambem expressões maldosas como “ gordo baleia, saco de areia”, “rolha de poço”, “bolota” ou não sei como a cadeira aguenta você sentar nela e etc.
Eles os valentões não faziam isso comigo so por eu ser gordo pois na sala tinham alunos mais gordo que eu, não eles me pegavam por eu ser o mais fraco e o mais tímido !
E nem adiantaria eu mudar novamente de escola pois continuaria o mesmo problema. É nem contar para o professor ou diretor, porque se não fora da escola iria ser pior do que já é.
O que e eu queria mesmo e ter alguns amigos mais nenhum chegava nem perto de min de medo de serem chigados e agredidos por estarem comigo.
E então não vou mais sofrer atoa, hoje daqui do banheiro do parque, eu não vou mais para a escola, nem para casa e nem vou para a rua então fim.

João Carvalho dos reis
Nascido rm 13/11/1992
Suicidou-se no dia 26/06/2008
Aos 15 anos de idade
Nascido em são Paulo. Capital
O corpo encontrado no banheiro do Parque Central. Causa da morte envenenamento com veneno de rato.
Igual ao João existem milhares por ai, chega de humilhação diga não ao bullying diga sim a vida, diga siam ao amor e a boa convivência em sociedade.

Autor: Ray Oliveira

Por favor deixem um comentario

O QUE É SER CIDADÃO ?

Ser cidadão é respeitar e participar das decisões da sociedade para melhorar a sua própria vida e a vida de outras pessoas. Ser cidadão é ser uma pessoa que tem dignidade, responsabilidade e fazer o possivel para se ter paz na sociedade.
A cidadania consiste em desde o ato não jogar papel na rua, não pichar os muros, respeitar os sinais e placas de trânsito, respeitar os mais velhos e não só os mais velhos, mais tambem se deve ter respeito a qualquer pessoa é saber dizer obrigado, por favor, desculpe, com licença e bom dia quando necessário…
O conceito de cidadania sempre esteve fortemente “ligado” a noção de direitos especialmente a os direitos a participação política, seja ao votar, seja á concorrer a um cargo publico.
Ao longo da história, o conceito de cidadania foi ampliando, passando a englobar um conjunto de valores sociais que determinam o conjunto de deveres e direitos de um cidadão “ Cidadania é o direito de ter direitos”. E cada dia que passa seu conceito engloba mais e mais, então vamos praticar a cidadania e sermos cidadão. Isto é preciso para viver em paz na sociedade e alcançarmos uma melhor qualidade de vida humana

Autor: Ray Oliveira

Por favor deixem um comentario

Madalena

Um mundo um sonho uma estrada a seguir
Lá vai Madalena feliz a cantar
Beijando uma flor ela segue sozinha
Na esperança de um dia novamente voltar

E o teu coração bate forte e mais forte
Ao lembrar de um amor da sua terra natal
Que ficou tão distante muito longe além
E um segredo ela traz em seu peito guardado

As horas se passaram e a noite chegou
E no céu as estrelas parassem guia-la
E a lua em seu leito reflete nas águas
Das lágrimas que rolam do teu olhar

Madalena chegou em seu destino final
Determinada a vencer em um mundo real
Onde muitos desistem no meio do caminho
Madalena formou-se em uma Faculdade

Agora doutora, ela pensa em voltar
Pelo mesmo caminho em que ela passou
Pra rever a família e os amigos da infância
E revelar o segredo ao seu grande amor.

Autor; Joaquim Gomes Alves

CORAÇÃO RENOVADO

Hoje o sol nasceu
Bem muito mais belo,
Pois o meu singelo
Coração está
Sendo renovado,
Com nova paixão,
Mas uma paixão
Que vem lá do passado.

Encontrei aquela mulher
Que tanto me fez sofrer,
Que tanto me machucou,
Quando me abandonou
Sem quê nem por quê.
E ela saudosa me disse
Que errou ao me deixar,
Que ela não conseguiu
Em nenhum momento
Se perdoar.
Então pediu desculpas,
E disse: se me aceitar,
Prometo que nunca, jamais,
Terás um motivo para lamentar.

É Por isso que o amanhecer,
Hoje foi tão especial
Com os pássaros gorjeando,
Fazendo festa no meu quintal!