AMOR SEM MEDIDA (Letra de Música)

Ainda trago o peito dolorido,
Muito machucado.
Um nó na garganta.
O gosto amargo
De está longe de ti.
Olheira nos olhos
Das noites em claro,
Sem dormir.

Olhos inchados de tanto que chorei,
Sentindo tua falta.
Quanto lastimei.
Trago na mente e no coração
Você, cara metade,
Minha grande paixão.
Sonho com você todos os dias.
Suspiro a olhar tua fotografia,
Sorriso, tão lindo!
Que me encantou.
Ainda pretendo te ter de volta,
Meu amor.

Foi paixão a primeira vista!
É amor que não tem medida.
É só você que me completa.
Ao teu lado sinto o paraíso aqui na terra.

ÁGUAS DO RIO

Entro pelo mar
Pra mostrar meu samba,
De Rio a Rio,
Sou Ponta Negra
E Copacabana.

Quero cantar
A miscigenação,
Sudeste e nordeste,
Samba e forró do bom.

Eu vou de cá
E você vem de lá.
Meu rio de janeiro,
Hoje natal vai abraçar.

Vamos fazer juntos
Uma roda de samba,
Nos morros e nas praias,
Toda cidade canta.

Nessa interação,
Uma só voz vai ecoar
O melhor do samba,
Não tem hora pra acabar.

Sem se preocurar
Com o dia raiando,
Se até o galo já tá cantando,
É sinal que o samba não pode parar.

*Marcelo Maya – Edmundo de Souza.

VEM DANÇAR FORRÓ

Vem pra cá,
Vem dançar
Forró pé de serra
Pra você suar.

A poeira vai levantar.
Sanfoneiro é do bom
E faz esse fole chorar.

Pego a morena
E no meio do salão,
Vamos arrastar chinela
Com maior satisfação.

Moço apague o candeeiro
Que tudo vai esquentar.
Hoje é dia de quadrilha,
E o fole não pode parar.

Vem pra cá,
Vem dançar
Forró pé de serra
Pra você suar.

A poeira vai levantar.
Sanfoneiro é do bom
E faz esse fole chorar.

Aperto a donzela
Firme nos braços,
E danço com ela
Forro, baião e xaxado.
E no seu perfume,
Eu me embriago.
Quero casar com ela
Tou apaixonado.

*Marcelo Maya – Edmundo de Souza.

UM SAMBA DE AMOR

Não é preciso estudar
Para fazer um samba de amor,
Falando da flor
Que conquistou seu coração.
Não, não é preciso.
Não é preciso não.

Basta apenas amar
E deixar acontecer,
Que a inspiração virá,
Tudo vai transcorrer naturalmente,
Como um rio a correr,
Como um sol no amanhecer.

Em matéria de amor,
Não há graduação
Maior que o bem querer;
Tudo vira paixão!
Eu e você juntos
Na mesma canção.

*Edmundo de Souza – Edson Cartolinha

O batente de pau do casarão

Recordando meu tempo de criança
vislumbrei a morada do passado
Dois andares do jeito de sobrado
era assim que estava na lembrança
Mas o tempo incessante que avança
tudo abarca fazendo alteração
Um incêndio em nossa construção
fez de tudo rescaldo de queimado
só ficando pra nós como legado
o batente de pau do casarão

A família ainda se recorda
do sobrado já sendo construído
Começando no piso foi erguido
com telhado subindo pela borda
Nostalgia é algo que transborda
em conversas de uma reunião
Foi aí que alguém já fez menção
que no dia da casa ser pintada
recebeu a primeira pincelada
o batente de pau do casarão

Nosso pai delegou a uma filha
contratar o carreto da mudança
Eu ainda mantenho na lembrança
a viagem que fez toda família
No momento de ver nossa mobília
já descendo do grande caminhão
um roupeiro que nessa ocasião
precisava de três pra carregar
deu trabalho na hora de passar
no batente de pau do casarão

As visitas que a gente recebia
desfrutavam da nossa acolhida
e na hora de dar a despedida
prometiam voltar em outro dia
Mas na porta da nossa moradia
nosso pai como bom anfitrião
ao depois de fazer a saudação
sempre com um abraço apertado
esticava a conversa escorado
no batente de pau do casarão

Não se pode fazer o inventário
de quem já circulou em uma casa
A saudade que vem e extravasa
não aceita uma data em calendário
Se na casa não tinha algum horário
com frequência de grande multidão
o sobrado virava num saguão
se a mãe para festa convidava
Era toda família que passava
no batente de pau do casarão

Pra memória das gerações futuras
levantamos sublimes monumentos
festejando na pompa dos eventos
os acervos de grandes esculturas
Galerias repletas de pinturas
ou espólios comprados em leilão
Mas sem ter o prestígio e projeção
dos tesouros que a isso se agrega
nosso afeto ainda se apega
num batente de pau do casarão

PRECISO DO TEU PERDÃO

O amor
Que trago no peito,
Não sei por quê
Não quer diminuir.
E assim, desse jeito,
Sofro tanto por sentir
Essa imensa falta de ti.

Dói, ah, como dói,
Todos os dias que acordo
E não vejo você.
Bate uma tristeza,
Quase um desespero,
Não te esqueço e já não sei
O que vou fazer,
Com este amor
Que pensei ser perfeito.
Se não faz bem Pra quê…
Tanto querer?

Querer já não é poder!
Te perdi estou na solidão.
Fui culpado por acontecer,
Minha noite é só ilusão.
Hoje quero me redimir,
Peço então desculpas a você.
Acredito em nosso amor
Tão caliente, cheio de fervor.

Eu te rogo então compaixão,
Pois preciso do teu perdão.
Nossa cama ainda te espera, (BIS)
Sei que posso te fazer feliz.
Te prometo meu amor eterno,
Não mais cometer os erros que cometi.

*Edmundo de Souza – Ezequias Félix

PRA QUÊ TÃO GRANDE AMOR?

Disseram pra não falar de tristeza,
Mas o que fazer se ela me abandonou?
Sinto tanta dor no meu peito,
Ai, meu Deus, pra quê tão grande amor?
Sinto tanta dor no meu peito,
Ai, meu Deus, pra quê tão grande amor?

Ela juntou seus panos e partiu,
Desapareceu, nunca mais ninguém a viu.
Levou junto algo que é meu,
Foi meu coração e nem sequer me disse adeus!
Levou junto algo que é meu,
Foi meu coração e nem sequer me disse adeus!

Tem nada não, amor,
Você quem quis assim,
Eu vou me dar valor,
Esquecer o que sofri.

Transformar tua insensatez
Em razão pro meu viver.
És um amor que se desfez,
Mas vou em busca de um novo amanhecer.

*Edmundo de Souza – Luíz Antônio.