Zé Bugio

A Jiboia apareceu no tronco da mangueira
Zé Bugio quando viu ela saiu numa carreira
a jiboia estava querendo enroscar no Zé bugio
mais depressa que o vento pelo mato ele sumiu.
Um morro de três mil metros em três minutos ele subiu
cinco vez que tropeçou todas cinco ele caiu
estava fazendo calor mas ele sentia frio,
quando lá em cima chegou o pulmão estava vazio
todo ar que respirou por baixo também saiu.
Êta mineiro valente como igual nunca se viu.
A jiboia deu um bafo na cara do Zé bugio cabelo ficou de pé por causa do calafrio vontade de chupar manga na mesma hora sumiu.

A Sagacidade do Saruê:

Uma galinha carijó do pescoço pelado,
passeava no quintal com os seus pintaínhos,
quando de repente num momento inesperado,
um Saruê esfomeado apareceu em seu caminho.

A Galinha carijó ficou muito assustada
com a presença inesperada do mal cheiroso Saruê,
num frenético có-có-có,com as penas eriçadas,
abriu as duas asas para os seus pintaínhos proteger.

Um alerme suplicante saiu de sua garganta,
um pedido de socorro repercutiu na redondeza,
mas a vontada de de chupar ovo do Saruê era tanta,
que resolveu seguir em frente e realizar sua proeza.

O Galo carijó estava de antena ligada,
cortejando as franguinhas do seu precioso harém,
quando pressentiu o perigo saiu em disparada,
atrás dele a galinhada saíram correndo também.

O Saruê muito esperto se escondeu em um buraco,ao terminar a correria ele seguiu o seu cominho,
ofegante cambaleava cada instante bem mais fraco,
na esperança de encontrar no galinheiro muitos ninhos.

Precisava urgentemente se alimentar se fortalecer,
para a sua sobrevivência necessitava chupar Ovo,
recuperar suas energias e a sagacidade dos Saruês,
pela Odisséia do retorno,começar tudo de novo…

A Arapuca do Nico:

O Nico velho armou uma arapuca
num lugá filho da puta
pra pegá um xororó
mais acontece que lá tinha um furmiguero
furmiga chegou primeiro
feis istrago de dá dó.

As furmiguinha levaram o milho embora
pergunto pro Nico agora
onde tá o xororó
ele falou que lá tinha um furmiguero
furmiga chegou primeiro
e feis estrago de dá dó.

O Nico velho ficou danado da vida
quando subiu a subida daquele canavial
vinha xingando de longe tô escutano
Nico velho tá falando
que as furmiga vai matar.

pois furmicida no buraca da furmiga
depois pegou uma vara começou
à cutucá
mais acontece que as furmiga são sabida
elas tinha outra saida e saiu noutro lugar.

Minero pacato:

O meu munjolo tá velho
mais não pára de socá
soca biju de farinha,
soca cânjica e jubá.

As quirela miudinha
não pode desperdiçá
é bão pra criar galinha
e os pintinho no quintar.

Biju de farinha
farinha de milho
a Maria é mulhé minha
o Pinpinha é meu filho.

Um baita jaracuçu
da barriga amarela
tava comeno biju
lá no cocho da gamela.

na furquilha do timbó
espremi ela no chão
hoje o coro dela
é barriguera do meu alazão.

Sou um minero pacato
não gosto de confusão
bicho que não presta eu mato
com a espingarda ou facão.

A tocera da guanchuma
mastigo com almeirão
é bão pra curar caxumba
e o tal do amarelão.

Biju de farinha
farinha der milho
a Maria é mulhé minha
o Pimpinha é meu filho.

UAI:

Me perguntaro o que quer dizê Uai
sinceramente eu não sube respondê
eu vim da terra lá do larilarai
essa palavra não sei o que quer dizê.

Se eu subesse eu falava o que é Uai
mais estou veno que tá dificil de sabê
já perguntei pra minha mãe e pro meu pai
nenhum dos dois não suberam respondê.

Minha mãe falô que a palavra Uai
é a manera de fazê afirmação
falô mais alto autoridade do meu pai
disse que Uai não era nada disso não.

Palavra Uai é Uai e nada mais
que a gente fala quase sempre sem sabê
é um costume que tem em Minas Garais
todo Minero vai falá até morrer.Uai!

Uai é Uai …………Uai!.

Estrada Branca:

Tem certas noites que eu fico abobalhado
olhando o céu cada veis mais cravejado
de brilhantes jóias que clareia o meu sertão
uma estrada branca comprida e nebulosa
dá mais encanto nas noites calmas e formosa
vagando por ela me perco na imensidão.

Não sei como pode existir tanta riqueza
meus olhos não cansa de olhar tanta beleza
eu visito cada estrela sem tirar os pés do chão
viajo de ponta a ponta pelo espaço infinito
pelos astros e planetas cada um mais bonito
tudo isto eu consigo sem sair do meu serão.

Tem veis que acompanho algum cometa errante
vai deixando pra trais um rastro de luiz brilhante
e se perde em busca do desconhecido
observo a queda de uma estrela cadente
que risca o céu e se apaga tão de repente
nesta hora aproveito pra fazer o meu pedido.

Peço pro senhor que feiz toda essa beleza
a Terra também faiz parte dessa riqueza
eu peço com muito amor no coração
espero que o Senhor atenda o meu desejo de sempre proteger o sertanejo
e nossa vida calma do sertão…

Compadre João:

Compade João,Compade João
desse jeito nóis não mata nada não

nóis fomo fazê uma caçada
não tinha nada,nada tinha pra matá

ficamo inté de madrugada
a bicharada foi durmi noutro lugá

a espingarda já tava carregada
mais na hora izata a espuleta não estorô

o bicho passou por nóis numa folga danada
eu dei risada e o compade João xingô

compade João,compade João
desse jeito nóis não mata nada não

o bicho que nóis pode matá
tá guardado dentro dum garrafão

jogue a espingarda prá lá
e vamo matá o bicho,compade João

compade João,compade João
esse bichoi vai jogá nóis dois no chão

eu seguro a lanterna e a espingarda
e vóis mecê segura o garrafão

Santo Onofre que nos guarde
nos dê a sua boa proteção

segura firme esse gargalo
e vamo matá o bicho,compade João

compade João,compade João
esse bicho derrubô nóis dois no chão..