ASPIRÂMIDES DO FARAÓ

Naquele labirinto,
Me sentia
Num beco sem saída.
Agora, com labirintite,
Meus pés flutuam
Sob as escadarias
Das pirâmides do faraó.
Me agito,
veja só:
Me vejo reduzido a pó
Ainda mais quando
A gente se sente só.
Faraó, por favor,
Tenha dó.

(EDILSON LEÃO & DIRCEU TEIXEIRA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *