O Som de uma lagrima

Lágrima, pura lágrima…
Ela escorregou, juntamente dela vieram outras
Tristeza, pânico, obsessão…
Lágrimas deslizando pela a pele
descuidada e queimada do sol
Lágrimas que jorram como uma cachoeira,
Com águas límpidas e verdadeiras
Sonhos esquecidos, tudo acabado
Todos quietos, todos concentrados a espera de uma lágrima
Pois só assim poderemos saber o som que fazem as
lágrimas e desvendar assim seus mistérios
Lágrima, pura lágrima…
Gosto salgado lembrando o imenso mar
Com a beleza de um pôr do sol refletido nas águas
E a pureza de uma singela flor de maracujá
Palavras podem explicar a pureza de uma lágrima,
Mas ninguém jamais ouviu o som que elas fazem ao
deslizarem pelos os olhos e em seguida escorregarem pela a face.
Ninguém jamais irá ouvi-las, apenas senti-las
E por onde essas lágrimas escorregarem deixarão
suas marcas e seus mistérios…
E acaso um dia você conseguir escutar o som que elas produzem,
saberá então que você já não é mais você,
e sim uma lágrima!

Eliezer Lemos

Tudo em minha volta lembra-me você

Tudo me lembra você meu amor! Minha vida!

Os versos que fiz e os que agora começo a compor, tenham eles rima ou não, mas o que vale é o que dita o meu coração.

A maioria deles que fale deste grande sentimento que tenho por você, do meu grande amor que chega a doer dentro de meu peito.

Ao contemplar a natureza exuberante lembro-me de você; o verde das árvores, as águas dos rios, lagos e lagoas.

As majestosas cachoeiras e a imensidão do mar com as Gaivotas sobrevoando e dando seus mergulhos certos em busca de seu alimento que é constituído de pequenos peixes que aos saltos tentam escapar de seu trágico destino.

A agitação das ondas que quebranta nas areias das praias trazendo pequenas conchas.

Uma queda d’água em forma de cascata descendo dos altos rochedos formando espumas e neblinas que nos atinge refrescante.

Uma chuva forte ou fina banhando, regando mansamente as relvas e flores; uma folha solta caindo lançada pelo vento, ou uma pétala de flor caindo.

Ouvir os cantos dos pássaros, observar os pombos revoando as praças numa manhã esplendorosa. As árvores copadas nas praças das cidades com pássaros gorgolejando seus cantos maravilhosos.

O céu azul com nuvens brancas com seus formatos diversos que se modificam ou se dissipam pela ação do vento. O sol com seu calor aconchegante. A lua, os planetas e as estrelas cadentes; tudo me emociona e me faz lembrar você.

Meu amor! Minha vida! Meu tudo! É impossível contemplar ou pensar na natureza e não pensar em você, não ter você em meus pensamentos.

Sim amor é assim que te amo!
É assim que tenho você constantemente dentro de mim!
Este sentimento domina minha mente e coração, e transforma todas as amarguras desta vida em plena felicidade e completo gozo!

Obrigado por sua deleitosa existência e por seu amor e carinho.

Eliezer Lemos

UM PARAÍBA NO CHORO

Com seus gestos, carinhos e afagos,
Esse homem de bondoso coração;
Sempre presente e muito disposto,
Não visa esforço pra estender a mão.
Seus cabelos já demonstram sua idade,
Seu olhar visando uma direção.
Caminhando a passos lentos,
Sem querer humilhar ninguém.

Com seus gestos, carinhos e afagos,
Esse homem de bondoso coração;
Sempre presente e muito disposto,
Não visa esforço pra estender a mão.
Seu sorriso de garoto,
Faz a gente lhe querer bem.
Hoje é ele,
Amanhã será você também.

Amigo respeite esse velha guarda!
Ele merece o nosso amor.
Dê-lhe afeto e carinho,
Ele tem muito valor.
Respeite os seus cabelos brancos,
Não faça ele chorar.
Abrace se preciso for,
Faça ele se alegrar.

*Chumbinho do Cavaco – Edmundo de Souza.

ÁGUAS DO RIO

Entro pelo mar
Pra mostrar meu samba,
De Rio a Rio,
Sou Ponta Negra
E Copacabana.

Quero cantar
A miscigenação,
Sudeste e nordeste,
Samba e forró do bom.

Eu vou de cá
E você vem de lá.
Meu rio de janeiro,
Hoje natal vai abraçar.

Vamos fazer juntos
Uma roda de samba,
Nos morros e nas praias,
Toda cidade canta.

Nessa interação,
Uma só voz vai ecoar
O melhor do samba,
Não tem hora pra acabar.

Sem se preocurar
Com o dia raiando,
Se até o galo já tá cantando,
É sinal que o samba não pode parar.

*Marcelo Maya – Edmundo de Souza.

A ti declamo um poema

Se muitos amores eu tivesse
Muitas vezes eu diria te amo,
Mas como só tenho você,
A ti declamo um poema;
Tu és a estrela mais bela
De toda a constelação, é uma
Rosa perfumada ventilando
Em minha mão, uma tarde
Ensolarada em um dia de verão..
É difícil resumir um sentimento
Profundo, as vezes a saudade
Aperta e a gente fica mudo,
E como um peixe fora d'água
Nos sentimos oriundos.
Mas, tudo nesta vida passa
E a saudade também passou,
O dia amanheceu mais lindo,
Então… O sol brilhou, e foi
O brilho dos teus olhos que
Ao meu coração conquistou.
— Joaquim Gomes Alves

I – O genioso fidalgo Dom Quixote da Man

Apresento um herói de epopéia
como aqueles que havia no passado
ou somente um maluco apaixonado
pela sua princesa Dulcinéia
Dom Quixote empenhado na idéia
de fazer o retorno dos andantes
confundiu os moinhos com gigantes
sempre junto de Sancho o escudeiro
se tornando o bizarro cavaleiro
no maior personagem de Cervantes

I – Primeiro episódio que trata de como um fidalgo sonhador se transformou no último cavaleiro andante

Num vilarejo da Mancha
dos tempos de antigamente
vivia em uma fazenda
um fidalgo decadente
que dos seus outros vizinhos
era em tudo diferente

Sem jamais compartilhar
interesses com seus pares
repetia relutante
as rotinas regulares
se mostrando entediado
entre bailes e jantares

Vestia trajes decentes
mas modestos no valor
Tinha um velho pangaré
e um galgo corredor
O que mais o comprazia
era ser madrugador

Seu repasto eram ovos
com torresmo na farinha
Carne, queijo e batata
vinham sempre da cozinha
Nos domingos escapava
com um caldo de rolinha

Dizem que este manchego
com sua vida discreta
por uma tal de Aldonza
nutria paixão secreta
sem cupido nunca ter
acertado nela a seta

Convivia em sua casa
com sua jovem sobrinha
uma velha empregada
prestimosa e sozinha
e um moço responsável
por tarefa comezinha

Era um cavalheiro magro
beirando cinquenta anos
começando a mostrar
nos atos cotidianos
toda aquela rabugice
natural dos veteranos

Seu provável sobrenome
era Quixana ou Quezado
mas importa é sabermos
que o fidalgo mencionado
tinha tempo até sobrando
pra ficar desocupado

Certo é que a gerência
da fazenda esquecia
e perdia o interesse
em caçada ou pescaria
quando começava a ler
livros de cavalaria

Fascinado por novelas
de cavaleiros andantes
tinha livros a granel
atulhando as estantes
onde estavam reunidos
traças, grifos e gigantes

E por sempre aumentar
o seu tempo com leituras
cada vez gastava mais
em cadernos e brochuras
precisando mais dinheiro
pra arcar com as faturas

Com as grandes coleções
consumindo sua renda
resolveu por desatino
demarcar e por à venda
para quem pagasse mais
partes da sua fazenda

A sobrinha se alegrava
sempre que chegava o dia
de ver o seu velho tio
indo pra barbearia
ou no rumo da igreja
pra ouvir a homilia

Acontece que o fidalgo
com o cura e o barbeiro
só falava em romances
pra ficar o dia inteiro
discutindo qual seria
o mais nobre cavaleiro

Por um tempo cogitou
escrever sua novela
com gigante, feiticeiro,
e também uma donzela,
sem faltar o cavaleiro
para ser vassalo dela

Seu intento era mostrar
triunfando em campanha
um guerreiro até maior
que El Cid da Espanha
mas trocou a narrativa
por idéia mais estranha

Por encher sua cabeça
com tanta coisa que lia
e ficar toda semana
trocando noite por dia
pouco a pouco se deixou
mergulhar na fantasia

De tanto ler e reler
novelas e coisas tais
foi ficando convencido
que elas eram reais
e a fantasia dos fatos
já nem separava mais

A empregada servindo
a farinha com torresmo
certa feita o escutou
dizendo para si mesmo:
– Na condição de fidalgo
eu estou vivendo a esmo!

Ele ainda prosseguiu
dizendo em sua loucura:
– Quero ser um paladino
indo atrás de aventura
e vou me tornar famoso
por meus atos de bravura!

A sobrinha igualmente
deparou com o seu tio
de pé em cima da cama
num completo desvario
quase não acreditando
nas coisas que ela viu

Empunhando o seu bastão
qual se fosse uma espada
dava golpes na parede
deixando ela riscada
Ela viu o destrambelho
mas não entendia nada

Foi não foi ele dizia
um e outro disparate:
– Já deixei 4 gigantes
derrotados em combate
mas não é com o cansaço
que um soldado se abate!

Foi então que decidiram
retirar do seu alcance
todos livros com o tema
de novela ou de romance
calculando que depois
não teriam outra chance

Todavia elas ficaram
sem saber o que fazer
quando ele sorrateiro
começou a se esconder
sempre com a intenção
de continuar a ler

Certa feita procurando
esconder-se um momento
no porão da sua casa
encontrou o armamento
que o saudoso bisavô
conservou do regimento

Encontrou um chifarote,
uma adarga, um cinturão,
as ombreiras e as grevas,
o gorjal e o morrião,
os coxotes e manoplas,
e a lança espontão

Completava uma couraça
bolorenta e amassada
que apesar de apresentar
leves manchas na lombada
pelo seu tempo de uso
reputou por conservada

Experimentou o traje
que ficou meio folgado
mas na sua fantasia
tudo estava ajustado
como se ele já fosse
um guerreiro do passado

Pela falta de viseira
no seu velho morrião
ele improvisou a peça
recortando um papelão
amarrando com arames
como a grande solução

Ao olhar-se no espelho
com aquela armadura
novamente acendeu-se
a centelha da loucura
decidindo nessa hora
se lançar na aventura

– Cavalgando meu corcel
marcharei numa campanha
reparando as injustiças
dessas terras de Espanha
pra honrar os cavaleiros
em mais de uma façanha!

No momento que estava
essas coisas cogitando
de repente escutou
o cavalo relinchando
como se o matungão
estivesse lhe chamando

Convencido que já era
um guerreiro de novela
foi até seu pangaré
colocando nele a sela
enxergando um corcel
no matungo magricela

Quis montar com altivez
imitando a narrativa
mas depois de repetir
mais de uma tentativa
fez um mocho por degrau
na melhor alternativa

Já montado no matungo
decidiu ser importante
só chamar o seu corcel
por um nome elegante
e de tantos que pensou
o melhor foi Rocinante

– Sairei no meu cavalo
viajando em toda serra
Um perfeito paladino
a cruzar por essa terra
e Dom Quixote da Mancha
será meu nome de guerra!

– Meu intento é honrar
os que já vieram antes
restaurando o apogeu
dos cavaleiros andantes
sendo o mais prodigioso
em façanhas relevantes!

Como todo cavaleiro
tem por musa a donzela
a quem ele considera
a mais virtuosa e bela
o fidalgo já sabia
que Aldonza era ela

Mas pensando que a moça
tinha um nome embaraçoso
preferiu chamar a musa
Dulcinéia de Toboso
que na sua opinião
ressoava harmonioso

Tendo o nome escolhido
e trajando a armadura
com desejos de fazer
grandes atos de bravura
Dom Quixote decidiu
se lançar na aventura

A sobrinha avistando
o fidalgo na estrada
cavalgando com o traje
disse para a criada:
– Ele nem nos avisou
onde é a mascarada…

FIM