Corrompido

Um garoto e seus demônios ;
Sobre o mesmo teto causam escândalo ;
Em noites frias e quietas os demônios pregam suas peças ;
Causando tumulto e murmurando insultos ;
Causando problemas aos reinos vizinhos ,
Os demônios continuam sorrindo ;
Com seus vícios naquilo que lhes mudam ;
Transformando-os em reis demônios aos olhos do garoto ;
O garoto segue quieto ;
Si transformando aos poucos naquilo que os persegue ;
Sobre a luz do dia os demônios si fantasiam de anjos ;
O garoto ao dia segue tranquilizado ;
Guardando toda a fúria em uma caixa que si abre sobre a noite ;
Essa noite que não termina , alongada com uivos e gritos dos demônios ;
Nenhuma noite brilhará;
Com o garoto si transformando ;
Virando um monstro tao grande que afastará os demônios ;
Esse garoto irá mudar ;
Ao sons de gritos e uivos ele si transformará ;
Todos os demônios iram si agonizar ;
Com o terror desse novo ser, os demônios si esconderão ;
E si gritarem ou uivarem, esse novo ser os matarão .

(Luis)

Fios de Seda

Se o Criador mesmo existisse
Por mim teria compaixão
Não teria me feito um simples poeta
Perdido na multidão
Teria me feito de fios egípcios
De seda ou de algodão
Para enfim eu viesse a ser
Por um momento qualquer
Os lençóis que adormecem
No corpo dessa mulher.

(Lincoln Rodrigues)