EU, VERBO

Um dia
Pensei ser sujeito a amar,
Mas descobri que meu sonhar
Não passava de fábula,
Imaginação!
E eu, verbo querer,
Querendo a qualquer preço amar,
Não medi esforços
Para tentar mostrar
Todo o sentimento
Contido e reprimido por mim,
Dentro do peito.
E eu, agora verbo sofrer,
Descobri que meu querer,
Era apenas meu.
Não fui querido,
Nem desejado,
E perante tal descoberta,
Senti que era folha caída,
A vagar sem rumo, incerta,
Até onde o vento quiser levar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *