Mãe que a todo Filho Perdoa

Oh! Mãe! Quanto tempo que eu não te escrevia
Sou teu filho que vem da Bahia
Com saudade do abraço teu.

Oh! Mãe! Trouxe a prima do meu Ceará
Ela disse que vem pra ficar
Com saudade do abraço teu.

Oh! Mãe! Nós ficamos sabendo que até os eunucos
Já chegaram cansados do pai Pernambuco
Por causa do abraço teu.

E eu minha mãezinha querida!
Que saudades que tenho das tuas avenidas
Dos sotaques diversos que ouço falar a tua língua
Por isso quero dormir com você solidão, nostalgia
E acordar nas tuas praças de verde alegria.

Oh! Mãe! Quanto tempo eu não te vejo perdoa!
Nosso irmão também quer seu perdão de Alagoas
Tão logo ele quer como eu um abraço teu.

Oh! Mãe! Quanto tempo será que eu vou ter que esperar
Tanta gente humilde que vem pra te ver do Pará
De braços abertos encontrar com o teu.

Oh! Mãe! Que abraça os teus filhos do Brasil inteiro
Mato grosso, Amazonas e Rio de Janeiro
São Luís, Maranhão e Natal como eu.

Oh! Mãe! Teus abraços gelados de sol e garoa
És a mãe que a todo filho perdoa
Dá vontade de não mais sair do teu lado
Da cidade querida mãezinha São Paulo.

“Homenagem á São Paulo 458 Anos”

Pelo autor Marcelo Henrique Zacarelli
Village, Janeiro de 2012 no dia 09.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *