POBRE COITADO

Eis que a besta fera,
Desceu a terra
E encontrou um cara
Carente, solitário.
E o pobre coitado
Em imenso desespero,
Cedeu a grande procela
E vendeu sua alma,
Na tentativa desesperada
De tê-la nos braços.
Mas o pobre coitado
Morreu sem ela,
Pois a besta fera
Mentiu, o enganou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *