Segredinho

Formiguinha estava tristinha,
Então, um segredo contou para Joaninha
Bem-te-vi curioso, queria saber
E fez alvoroço!
Chamou o Sabiá,
Que se pôs a cantar
Tentando disfarçar!
Dona Rosa foi investigar.
Joaninha não quis contar.
Margarida mimada ficou arrasada!
Minhoquinha cansada,
Olhou assustada.
Por causa do segredo
Dona Aranha teve medo.
Centopéia fofoqueira
É muito encrenqueira.
Quis saber, e interromper.
Dona Canarinha, estava arrumadinha
De bota e de sombrinha!
Foi perguntar :
-Formiguinha posso te ajudar?
-Ah, minha amiguinha!!
É que fiz xixi na calcinha…
Snif, snif…
E Bem-te-vi fofoqueiro,
Arrumou um berreiro,
Lá no terreiro….
BEM-TE-VI, BEM-TE-VI, BEM-TE-VI….
Coitadinha!!
Não deu tempo de chegar ao banheiro!!!

SONHO DE PEQUENINO

Meu brinquedinho se quebrou
Meus olhos estão tristonhos
Eram meus cristais
Evaporaram como sonho

Sou pequenino
Tão sutil que desafino
Sou o doce sabor da nostalgia
Livro repleto de fantasia

Minha voz é fina quando canto
É doce como água na boca
Feliz como pássaro
E livre quando voa

Meu coração é apertadinho
Mas abraça um navio
Fortalece minha alma
Para vencer meu desafio

roda

brincar de roda
na roda da vida
nos leva
nos deixa
sempre com as emoçoes
ativas
rodar literalmente
rodar a mente
rodar os dias
nos faz crianças novamente
nos deixa vivos de alegria
muita cor na roda
da roda
que gira sem parar
levando lembranças
saudade
e cor

A CRIANÇA

Um dia uma criança
Chorava no meio da multidão
Tenho fome, tenho sede
Mas o seu eco ressoava em vão.
Cansada, triste e abatida
Volta a criança sem matar a fome
Revivendo as palavras de Jesus
Nem só de pão tu viverás, ó homem.
E continua perambulando pelas ruas
De porta em porta, ela implora:
Justiça, amor e respeito.
Pequenina e indefesa
Ela perde a razão dos seus direitos.
Carente de amor
Retorna ao meio da multidão
Mas do homem recebe temerosa
A vil rudeza do seu coração.
A criança insiste
E pede ao homem compaixão
Mas o homem cruel desnaturado
Protesta e continua a dizer não.

BIA

Olhar de primavera
Sentindo a brisa na janela
Com seu jeito de menina
Que tudo ilumina

Olhar os esquilos
Ouvir os grilos
Viver de alegria
Na nossa fantasia

Sonhos que nascem
Nos campos verdes da infância
Sempre semeados
Sempre amados

Vida que se inicia
Com sabor de melodia
Esperança no jardim
Beleza que não tem fim