NÃO DEIXO O SAMBA

Não sou obrigado a aturar,
Suas diferenças, sua malcriação.
Pelo mesmo motivo, Toda hora quer brigar.
Eu já disse que não deixo o samba,
E nunca vou largar. (eu não)

Quando me conheceu,
Viu que eu era um bamba.
Disse pra mim te levar
Pra curtir e dançar um bom samba.
Agora cheia de moral,
Diz que é pra parar de tocar.
Que as mulheres vivem me tirando,
Que assim vai pirar.

Gosto da boemia,
Adoro a madrugada.
Quando amanhecia o dia,
Era que eu voltava pra casa.
Hoje bastante mudado,
Parei, já não vou farrear;
Mas, não peça que não deixo o samba,
Nunca vou largar.

*Marcílio Freitas e Edmundo de Souza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *