Sol 1

Quantas vezes te amei sem ser amado?
O bastante pra provar a infelicidade
Existente no teu desprezo, ó maldade!
Mesmo amando-te ainda sou culpado

Por não saber que agora sou passado
Na tua vida que sem licença invade
Meu destino perdido por tua saudade
Por amar-te tanto fui encorajado

A dizer-te: feixe de luz nunca acaba
Pois o sol noturno brilha escondido
Enquanto a lua majestosa se gaba

Ao deixar na noite um sexto sentido
Para sonho sem amor a lua desaba
Mas para amor sem sonho: sol nascido.

Visite meu website: www.marcusviniciusart.wix.com/marcusvinicius
Tem pinturas digitais, músicas instrumentais, sonetos, pensamentos filosóficos e livros publicados (tudo de minha autoria).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *